ANÁLISE DA CONJUNTURA LATINO-AMERICANA – Coordenação Anarquista Brasileira

ANÁLISE DA CONJUNTURA LATINO-AMERICANA – Coordenação Anarquista Brasileira

Texto produzido pela Coordenação Anarquista Latino Americana (CALA)

No cenário internacional, vivemos mudanças importantes nas correlações de poder que não começaram agora, mas que ganharam maior intensidade com os acontecimentos dos últimos anos.

Após o fim da Guerra Fria e a derrota do bloco do chamado “Socialismo Real”, iniciamos uma fase do que se convencionou chamar de mundo unipolar, com os EUA centralizando todo o poder e influenciando o resto do mundo, sem muita resistência. Uma globalização ditada pelos faróis das corporações transnacionais e dos valores ocidentais (com apoiadores ideológicos militares e protetorados político-econômicos) de grande parte da Europa Ocidental, bem como do Japão, Coreia do Sul, Canadá, Austrália, Nova Zelândia e o Estado de Israel, baseado no sionismo e no apartheid racista.

Por outro lado, desde as décadas de 1970 e 1980, os padrões de vida alcançados por estes países têm apresentado sinais de deterioração significativa, algo que foi essencial para manter a maioria das suas classes oprimidas sob controle e em conformidade com as suas políticas.

Estamos agora a atravessar o apogeu da política neoliberal que foi criada durante a guerra fria e se tornou a única verdade aceita pelos economistas e governos oficiais na maior parte do mundo; Décadas desta política viram a sociedade absorvida e precarizada quase ao ponto da exaustão.

Quando este modelo falha, existem duas possibilidades: ou uma revolta popular ou o sistema precisa de se reinventar. O que estamos vendo é o sistema se reinventando.

China e a reorganização do sistema capitalista

Nesta nova reorganização do sistema vemos o surgimento de uma nova esfera de influência internacional. Liderada pela China, começa a formar-se um novo bloco de poder não-branco e não-ocidental, que começa a desenhar um mundo multipolar no qual a hegemonia do eixo Atlântico começa a ruir – tudo no meio de um ambicioso projeto de desenvolvimento que dura décadas e décadas, baseado no planeamento centralizado do Estado, na exploração intensiva da classe trabalhadora, na eliminação da oposição interna e com fases de desenvolvimento bem marcadas. A República Popular da China já é a maior potência industrial do mundo e pouco a pouco se tornará a maior potência econômica. Se ainda não for comparado com o poderio militar da Rússia e dos EUA, fez investimentos significativos neste sector nos últimos anos.

Em linha com o exposto, a China está a transformar-se de um país com uma indústria de produtos baratos, para uma potência com tecnologia de ponta, abrindo o seu mercado, mas incorporando tecnologias avançadas e condicionando o desenvolvimento das suas próprias tecnologias. Neste contexto, sectores da esquerda alimentam uma visão ilusória do “socialismo chinês”, que na realidade é capitalismo de Estado, colocando este país na vanguarda de uma luta anti-imperialista.

São avanços para enfrentar o poder dos Estados Unidos, já que neste momento é impossível entrar em guerra nas formas mais clássicas ou tentar dominar outros países pela força. Com projetos como a Nova Rota da Seda, que celebra a sua primeira década, a China pretende integrar países, especialmente do Sul Global, num processo complexo que envolve pesados ​​investimentos em infraestruturas e a transferência de determinadas produções para mais de uma centena de países no mundo, especialmente em busca de matérias-primas.

Se há décadas bastava a cooptação das elites locais pelo Império Norte-Americano e a submissão total das nações aos regimes saqueadores ditados por organizações internacionais (como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial), hoje o capitalismo precisa de se reinventar.

Sem dúvida, nesta fase da consolidação do poder chinês, a “parceria” é mais estratégica do que a subordinação direta. Primeiro, porque precisa enfrentar um poder ainda maior que o seu; e segundo porque a característica do capitalismo chinês exige estas novas relações. Sem dúvida há avanços no poder de compra da população no cenário deste novo bloco, mas de forma alguma podemos chamá-lo de socialismo ou estaríamos utilizando velhos conceitos para novos significados. A sociedade continuará baseada em classes e esta é a etapa inicial de um novo mundo que não existe.

Se a República Popular da China triunfar e os Estados Unidos forem derrotados (uma situação que só surgirá dentro de algumas décadas, como concordam a maioria das previsões), as relações adaptar-se-ão a um novo cenário.

Outra questão importante é que o Império não verá o colapso de sua influência sem se movimentar, o que pode gerar ataques a países (incluindo a América Latina) que ameacem tomar partido ou, pelo menos, deixar o dólar em suas trocas internacionais, por exemplo.

Guerra na Ucrânia

A Guerra da Ucrânia é um marco importante destas mudanças na ordem geopolítica. A invasão russa da Ucrânia expressa tensões profundas entre a NATO liderada pelos Estados Unidos e a Federação Russa e as suas zonas de influência tradicionais. Precisamente, a Rússia é um país que, após a desastrosa transição para o mercado em 1990, decidiu sair da zona de influência neoliberal dos Estados Unidos, procurando investir na recuperação do seu desenvolvimento interno, ao mesmo tempo que continua a afirmar a sua posição imperial na Europa Oriental, no Leste e no Cáucaso, como a segunda guerra chechena demonstrou com toda a brutalidade.

Na Rússia, sob o governo autoritário de Putin, que já dura há mais de duas décadas, o nacionalismo imperial de direita combina-se com aspectos desenvolvimentistas, procurando superar o que considera ser a era de humilhação internacional encarnada no governo de Yeltsin (que paradoxalmente designou Putin como seu sucessor), com uma política interna fortemente autoritária, contrária às minorias nacionais, anti-lgbt e antipopular.

Por outro lado, a Ucrânia aprofundou o seu alinhamento internacional com a União Europeia e a NATO, desde as revoltas populares da Euromaiden de 2014 contra o governo Yanukovych, acontecimentos em que a direita radical desempenhou um papel importante, e que levaram à ocupação russa na Crimeia e a guerra civil no leste do país. A guerra interna gerou uma situação de exacerbação direitista e nacionalista, que levou à participação na Ucrânia de grupos neonazistas em setores das forças armadas e do governo, bem como de grupos neofascistas pró-russos nos setores separatistas .

A Europa assume uma posição de total subordinação aos interesses da política internacional dos Estados Unidos de uma forma que se torna humilhante, com um trabalho no campo cultural tão intenso que opiniões contrárias, mesmo em sectores de esquerda, são rapidamente anuladas.

Sustentando uma guerra que implica aumento do custo de vida, com taxas de inflação não vistas há gerações na Europa Ocidental e a ameaça da desindustrialização, além do aumento do custo da energia e dos bens básicos, já se percebem revoltas populares, comuns na França, mas não tão comuns na Inglaterra e na Alemanha.

É aqui que reside um dos grandes perigos que enfrentamos, não só na Europa, mas noutras partes do mundo, na disputa pela hegemonia da influência internacional.

Disputa ideológica e extrema direita

Há alguns anos, a revolta contra a piora das condições de vida tem sido liderada pela extrema direita, que em muitos lugares conseguiu roubar o discurso antissistema da esquerda, tática que também testemunhamos no Brasil com alguns elementos de propaganda. Bolsonaro, mas também nos EUA com Trump e na Europa com Brexit, Afd e Le Pen, por exemplo.

O cenário apresenta-nos governos conservadores, ultranacionalistas e de direita radical consolidados na Europa (como na Hungria, Polônia e Itália), bem como um movimento crescente em França, Espanha, Portugal, entre outros. Uma verdadeira Internacional de intenções fascistas está organizada em toda a Europa, com os pés plantados em vários países do sul global. Tais partidos e movimentos têm tido mais ou menos sucesso nas eleições, dependendo dos contextos nacionais, mas estão a consolidar-se como forças políticas de primeira ordem e guiam o discurso e cooptam partes das classes oprimidas em todo o lado.

Toda esta situação soma-se às lutas internacionalistas mais antigas, como o aumento da perseguição, da criminalização e da violência contra os migrantes, especialmente na Europa; invasões, assassinatos e avanços paramilitares contra territórios zapatistas em Chiapas; os bloqueios contra Cuba e Venezuela; os ataques sistemáticos à gloriosa revolução de Rojava e aos territórios curdos por parte da Turquia (a propósito, um país membro da NATO); além da resistência incansável do povo palestino ao regime do apartheid, ao terrorismo de Estado e à colonização brutal, cada ano mais forte e violenta, perpetrada pelo Estado sionista com apoio financeiro, logístico e institucional do Ocidente.

São todas lutas e movimentos que temos que olhar com atenção e nos movimentar para entender seus impactos. Nos solidarizamos com o povo e nos posicionamos nas idas e vindas dos acontecimentos, atentos às consequências para nossos territórios e nossa ideologia.

Nossa América Latina

Entretanto, na América Latina, a miséria e a pobreza aumentam, ao mesmo ritmo que são implementadas políticas de extração de recursos e pilhagem. Temos o problema da água no Uruguai, um país que naturalmente não carece de recursos hídricos, mas a florestação, as fábricas de celulose e a monocultura da soja consomem água potável. Durante mais de dois meses não houve água potável na região metropolitana, mas sim água com altos teores de sódio e cloreto. Exemplo claro de uma política de saque, nesta fase em que o capitalismo é claramente ecocida e genocida.Por outro lado, o movimento popular uruguaio prepara-se para iniciar uma campanha plebiscitária em defesa da segurança social e das reformas, tentando manter a idade de reforma dentro dos limites anteriores e eliminar as seguradoras privadas.

Na Argentina, a extração e contaminação da água, o desmatamento, a predação da fauna, a monocultura, a megamineração, as queimadas, o fracking e o uso de agroquímicos fazem parte das ações que esse sistema utiliza para se apropriar de recursos, expulsando progressivamente a população de seu território para as margens das grandes cidades, promovendo a pobreza, o desemprego e facilitando o controlo e a repressão.O lítio aparece como um recurso desejado pelas grandes multinacionais de energia. Foi um dos motivos do golpe de Estado na Bolívia em 2019, da atual ditadura de Boularte no Peru e sua repressão brutal com mais de 60 mortes, da “ditadura” de Morales em Jujuy (Argentina) e também de sua feroz repressão , com métodos que relembram períodos sombrios da história do continente.

Depois de ver revoltas populares que beiraram a insurreição em alguns lugares, deram lugar a vários governos de esquerda (ou, mais precisamente, principalmente alianças de centro-esquerda), governos que não deram e não darão a resposta que a população queria. Pelo o contrário, como no caso chileno, em que a concertação que levou Boric ao governo pratica agora políticas de austeridade, aumento da violência e militarização dos territórios indígenas, para dar apenas um exemplo. Na Argentina, vivemos hoje as consequências de décadas de cooptação e adaptação dos movimentos sociais e sindicais pelos governos autoproclamados progressistas após a eclosão de 2001. A orientação dos partidos para canalizar a luta em fraudes eleitorais, com o ” não fazer o jogo para a direita”, procurou-se no mandato de Alberto Fernández  cuidar da sua governabilidade à custa de um agravamento alarmante das condições de vida.

Esta mesma população é cortejada por movimentos de extrema direita que, como em outros lugares, se apropriaram de um discurso antissistema. A esquerda reformista tenta opor-se a ela utilizando as armas que tem utilizado nas últimas décadas: o discurso legalista de respeito pelo Estado Democrático de Direito e uma defesa abstrata dos ideais democráticos, evocando um discurso moral contra o fascismo. No caso do Chile, É possível que Kast (candidato de extrema direita) ganhe as próximas eleições e até a tão falada reforma constitucional que Boric quer aprovar a todo custo seja mais reacionária do que a atual preparada pela ditadura de Pinochet.

Na Colômbia, onde também foi instalado um governo de centro-esquerda, o eixo fundamental está colocado em alcançar acordos de paz com as diferentes guerrilhas e avançar timidamente na reforma agrária. O ELN (Exército de Libertação Nacional) tem criticado processos anteriores (onde há milhares de mortos, incluindo mais de 350 signatários do Acordo de Paz e cerca de 1.534 líderes sociais), e pretende envolver a sociedade como um todo no debate, centrando-se sobre as necessidades sociais urgentes que historicamente motivaram a violência no país. Por sua vez, os grupos paramilitares e de tráfico de drogas não estão se desarmando nem vão se render. O peso da ajuda militar dos Estados Unidos é forte ali (com uma história não distante no Plano Colômbia desde 2000), juntamente com o equipamento, treinamento e cobertura para ações antiguerrilha e de “guerra suja” que resultaram em milhares de “falsos positivos”, isto é, execuções extrajudiciais e massacres de camponeses e jovens populares que o Exército Colombiano fez passar por confrontos com a guerrilha na sua contínua campanha de desinformação e terrorismo. 

Resta ver como a situação se desenvolve na Colômbia e, especialmente, o que a direita faz face à sua derrota presidencial passada, mas ao fortalecimento gradual e à atividade nos últimos meses. O povo colombiano deu uma grande lição de dignidade e combatividade nas mobilizações de 2021 e também nas instâncias anteriores (2019 e 2020). Existem reservas importantes para continuar a construir um povo forte, mesmo depois do esfriamento provocado pela chegada do progressismo ao poder e a subsequente semitrégua dos movimentos sociais com o governo.

Se falamos de Terrorismo, o Peru deveria ocupar o primeiro lugar ou um dos primeiros neste momento. O “terruqueo” que se faz desde as instituições é constante. Já vimos isso na campanha eleitoral e continua agora diante de cada mobilização popular. No dia 19 de julho ocorreu a terceira marcha ou “tomada” de Lima. O governo e a imprensa insistiram que o Sendero Luminoso e o MRTA estão ativos e gerando “desestabilização”; que o protesto seja admitido, mas dentro do permitido. Claramente, a guerrilha no Peru não está ativa. Sofreu duros golpes na década de 90, sob o governo de Fujimori, setor que hoje governa e está, de fato, no poder. A campanha é forte e se baseia em mentiras incríveis. 

Castillo foi retratado como “um comunista” na campanha eleitoral e por isso não foi autorizado a governar e ocorreu o golpe de Estado. Castillo está longe de ser muito esquerdista, o capitalismo e as classes dominantes peruanas não toleram quem não seja reacionário. Há também aí uma questão de classe e étnico-racial. Os que estão no topo do Peru não toleram que alguém que vem do movimento social se torne presidente, nem toleram que alguém seja indígena ou mestiço. Isto significaria a ascensão social de uma fração dos setores populares indígenas (como ocorreu na Bolívia), que as classes dominantes peruanas – com uma grande herança colonial – não estão dispostas a tolerar ou aceitar. Também não toleram a mobilização dos sectores populares em protesto contra a ditadura Boluarte, de tal forma que até à data houve 48 vítimas mortais da repressão e centenas de feridos.

Por sua vez, no Equador a situação continua tensa, à qual se soma o assassinato de um candidato presidencial, presumivelmente pelo narcotráfico. O movimento camponês pressiona o governo na mesa de negociações e mobiliza-se recorrentemente. Estamos a falar de países onde ocorreram revoltas populares. Isso ainda está presente lá. Dissemos em materiais anteriores que no nosso continente estamos num ciclo de protestos e revoltas que está aberto desde 2019 e que esse ciclo ainda não se encerrou. O povo continuará a procurar nas ruas soluções para problemas sociais angustiantes e novas alternativas políticas, independentemente da classe.Destas revoltas podemos dizer claramente que foram de ampla participação popular, verdadeiras “aldeias”, onde a maior diversidade das nossas cidades se expressou nas ruas, nos campos e nas ruas. Uma verdadeira Frente de Classes Oprimidas em ação, unida por objetivos e situações específicas, articulada em amplos espaços sociais e articulada para a luta. Muito se tem feito nos últimos anos e esta experiência não passa despercebida, certamente germinará com maior intensidade.

Podemos dizer que as alternativas estão aí: a mobilização popular por soluções para os problemas sociais, contra o autoritarismo, na resistência contra os saques ou o avanço das concepções mais retrógradas, em alguns casos, puramente fascistas. Não podemos negar que grandes setores da população não encontram uma solução para os seus problemas pedindo respeito pelo sistema, mas muitos caem no “canto da sereia” do fascismo e da extrema direita, que dispõem de amplos meios para a sua difusão, além do apoio dos EUA, claramente expresso pelo Chefe do Comando Sul. A influência da extrema direita varia na América Latina, há países onde a direita mais liberal ainda tem mais influência, como o Uruguai, e outros, como o Brasil, onde pelo menos 20% da população é altamente influenciada por ideias fascistas. As taxas de desenvolvimento deste e de outros fenômenos em cada país variam e são diferentes. Mas há um avanço de ideias autoritárias que é inegável na região, como apontamos, ocorre na Europa e em outras partes do planeta. A direita, as classes dominantes e o império norte-americano não vão ficar parados e continuarão a trabalhar para aprofundar o seu domínio sobre a área e também para controlar ideologicamente o nosso povo.

Embora não seja a maioria, é sem dúvida uma boa parte da população que se mobilizou nos últimos anos em vários países, incluindo ações de vandalismo, invasões e um discurso alinhado com a aparência radical, promovido por setores de extrema direita. Neste cenário, devemos ser honestos conosco próprios: a influência da esquerda revolucionária é mínima. Por outro lado, a “esquerda” institucional e o centro-esquerda não confrontam nem querem confrontar os sectores fascistas e reacionários. Eles cuidam da sua chance de ser governo capturando o voto dos mesmos setores sociais. O caso do Brasil é claro: um setor importante da população votou em Lula no passado, depois em Bolsonaro, agora novamente em Lula…Mas o fascismo e os golpes de estado não param nas urnas, apenas com a luta popular no na rua e em todos os níveis.

Algo semelhante acontece na Argentina, num contexto de pobreza que cresce para níveis insustentáveis ​​(uma em cada duas crianças é pobre) e à beira da hiperinflação, o cenário político é atravessado por eleições provinciais e nacionais. Onde as PASO (primárias abertas simultâneas obrigatórias) colocaram os candidatos de direita em primeiro e segundo lugar, com propostas de privatizações, flexibilidade trabalhista e ajustes profundos somados a um discurso pró-“mão dura”, negando a última ditadura. Em terceiro lugar está o candidato do atual governo, que decidiu nas últimas semanas desvalorizar abruptamente o peso argentino, acelerando a inflação e, assim, fazendo mais uma vez com que os que estão abaixo paguem as consequências da atual situação econômica e social.

A surpresa do “fenómeno Milei” entre a militância política dos sectores médios é diretamente proporcional à distância das construções populares dos sectores populares. A passividade de numerosos líderes sindicais e movimentos sociais também fez o seu trabalho. A “trégua” oferecida a Alberto-Cristina-Massa por estes dirigentes acaba por expor um clima social e descontentamento que foi canalizado por sectores reacionários, que por sua vez competem para ver quem tem a receita para acelerar o ajustamento contra o povo.Enquanto isso, em cada bairro, o tráfico de drogas e a violência social avançam, engolindo a vida de nossas crianças, enquanto a luta entre pobres contra pobres se aprofunda, bem refletida no esclarecedor documento da FAU de 2010, “Fragmentação e a nova pobreza”.

Ao mesmo tempo, no mundo do trabalho, além da luta constante – e exaustiva – pela reabertura das paritárias, prevê-se um cenário de despedimentos e suspensões, no quadro de um ajustamento exigido pelas câmaras patronais, que tem como corolário uma reforma trabalhista.Todo este problema deve ser levantado pela militância. Em países como o Brasil, para dar um exemplo, 20% da população responde a concepções fascistas ou reacionárias, mas por outro lado, não podemos esquecer que 30% da população (que seria influenciada pelo campo progressista e esquerdista) não é um número pequeno, mas uma política de intenção revolucionária precisa de radicalizar pelo menos uma parte desta população para um discurso anti-sistema de esquerda. 

Nós, anarquistas

Sem falsa modéstia, nós, anarquistas, temos um papel a desempenhar nesse processo. Nem tudo depende dos nossos esforços, mas temos muito a fazer e podemos aproveitar melhor as situações favoráveis ​​de mobilização e as lutas nas ruas. Independentemente dos governos que sobem e descem, é fundamental redobrar os esforços militantes dos setores ou correntes que, de uma forma ou de outra, almejam uma sociedade sem opressores ou oprimidos. A energia deve ser colocada ao serviço da resistência organizada. Todo o resto é continuar a evitar o problema maior e cair naquele “curral de ramos” que são as eleições, como gostava de lhe chamar o velho Mechoso. Devemos humildemente perceber que a única saída é fortalecer as organizações populares, com as quais em cada período da história conquistamos as principais reivindicações populares e acabamos com as diferentes tentativas de retirada de direitos e ajustes.

Portanto, é fundamental sustentar o trabalho de inserção nas diferentes frentes sociais, potencializando o protagonismo popular no quadro de uma estratégia de construção do Poder Popular em todas as suas formas possíveis. Se o povo for o protagonista das lutas, será mais difícil que propostas “mágicas” surjam de cima e tenham a centralidade que o sistema lhes confere. Um povo forte é construtor do seu destino, por isso nossa estratégia é o Poder Popular e a Frente das Classes Oprimidas.

  

   CONTINUAR AS LUTAS NAS RUAS, NOS CAMPOS, NAS FÁBRICAS, NOS BAIRROS E NOS CENTROS DE ESTUDOS!!!

    RESISTIR AO AVANÇO DA DIREITA E DA EXTREMA DIREITA!!      

    PELA CONSTRUÇÃO DO PODER POPULAR!!      

    A VITÓRIA ESTÁ NAS MÃOS DE QUEM LUTA!!      

—   

COORDENAÇÃO ANARQUISTA LATINO-AMERICANA:

    Federação Anarquista Uruguaia (FAU)

    Federação Anarquista de Rosário (FAR, Argentina)

    Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)

    Organizações irmãs:

        Organização Anarquista de Tucumán (OAT, Argentina)

        Organização Anarquista de Córdoba (OAC, Argentina)

        Organização Anarquista de Santa Cruz (OASC, Argentina)

        Grupo Libertário Vía Libre (Colômbia)


Coordenação Anarquista Brasileira (CAB)

Original -link-

as